in

Entrevista com o criador de EPIC MICKEY 2

 

Após o bem-sucedido lançamento em 2010, um novo jogo da franquia “Epic Mickey” chegará às lojas de todo o mundo. Em entrevista ao site da Veja, Warren Spector, criador dos games, comentou sobre as novidades de “Epic Mickey 2: Poder em Dobro”, em relação ao primeiro título da série, além de falar sobre o processo de desenvolvimento do mesmo.

‘Quais são as grandes diferenças entre Epic Mickey e Epic Mickey 2?

Há muitas diferenças, mas o que deve chamar a atenção das pessoas é que agora elas poderão jogar o game em todas as plataformas (Xbox 360, PlayStation 3 e Wii). Outra novidade é o aparecimento de um segundo personagem. No primeiro título, o jogador vivia na pele do Mickey, mas na nova versão da franquia será possível escolher Oswald, o Coelho Sortudo. Apresentamos Oswald no primeiro jogo, mas só nesta edição ele estará disponível. Mesmo na experiência de um único jogador – no caso, o Mickey –, o personagem secundário estará presente na aventura. Ele será controlado através de inteligência artificial, que permitirá uma interação mais realista entre ambos os ícones. O Mickey possuirá habilidades distintas, como o poder de apagar e desenhar cenários. Já Oswald usará a eletricidade para atirar em alvos ou abrir objetos eletrônicos.

 

 

A Disney participou ativamente do processo de desenvolvimento do jogo?

Sim. Cada personagem do game tem a voz original usada nas animações da Disney. Esta será, inclusive, a primeira vez que Oswald, o Coelho Sortudo, falará. Tanto o Mickey, quanto o Pateta, foram dublados pelos atores da companhia. Como a mecânica do título seguirá os padrões da empresa, muitos diálogos acontecerão na forma de música. A trilha sonora e as canções, portanto, foram compostas pelos artistas da Disney.

Epic Mickey 2 permitirá a utilização de sensores de movimento, como Kinect, do Xbox 360, e Move, do PlayStation 3?

O jogo terá suporte para Wii e Move, do PlayStation 3. Não será possível jogar, contudo, no Kinect. Reconhecemos o dispositivo como uma ferramenta incrível, mas a adaptação de um game para ele é complexa.

Existirá algum tipo de material extra para cada plataforma?

O jogo será o mesmo em todos os videogames. Não posso falar muito mais do que isso por ora.

 

 

No primeiro jogo da franquia, a identidade gráfica dos personagens e o cenário lembravam o estilo Steampunk (tecnologia retrô). Como serão os gráficos de Epic Mickey 2?

Estamos explorando o poder gráfico dos consoles e, por isso, teremos muito mais qualidade nesta nova versão. As armas serão mais poderosas, bem como os efeitos visuais. Demoramos anos para criar essa identidade única e nesta nova versão Wasteland, o universo do jogo, estará ainda mais bonito.

O pincel mágico do jogo anterior, que permitia ao Mickey criar e apagar cenários, estará presente nesta versão. Ele terá algum outro recurso?

A habilidade continuará disponível no game. A grande diferença é que no jogo anterior toda alteração feita no cenário desaparecia na hora que o jogador saía do ambiente. Nesta versão, contudo, as mudanças serão permanentes. Os personagens também vão interagir com essas novas alterações, que podem variar entre uma ponte ou uma porta, por exemplo.

 

 

Epic Mickey 2 terá modo multiplayer on-line?

O interessante do título é ver como as pessoas jogam juntas e se ajudam nas missões. Não se trata de uma competição. A minha ideia neste projeto foi recriar a experiência do “role-playing game” (gênero em que os jogadores interpretam seus personagens) Dungeons & Dragons, onde os integrantes desenvolvem histórias juntos. Poucos jogos resgatam essa experiência.

No lançamento de Epic Mickey, em 2010, críticos apontaram problemas de “câmera” o ponto de vista, digamos assim, pelo qual o jogador assiste ao desenrolar da ação. Como a Disney resolveu essa questão?

A câmera é um problema que todos os desenvolvedores têm de resolver em jogos de aventura. As pessoas não entendem que títulos de plataforma como Mario, ou mesmo outros games como The Legend of Zelda, exigem diferentes sistemas de câmera. Em Epic Mickey criamos um sistema de câmera único, que não possibilitava ao jogador escolher diferentes tipos de perspectivas. Podíamos melhorar isso nesta segunda versão e dedicamos uma equipe ao assunto. O que posso adiantar é que realizamos mais de 1.000 mudanças no sistema atual e que o jogo não precisará de qualquer recurso de controle de câmeras manual.

 

 

Quantas pessoas estão trabalhando no projeto Epic Mickey 2?

Temos cerca de 160 pessoas envolvidas no jogo, mas trabalhamos com parceiros de todo o mundo. Ao todo, mais de 700 colaboradores estão participando do projeto.

Onde o jogo foi desenvolvido?

No mundo inteiro. Temos desenvolvedores no Texas, em Shangai, em Los Angeles, na Grã-Bretanha e no leste europeu. Essa é uma nova realidade no desenvolvimento de um game.

Para quem o jogo está sendo desenvolvido?

O primeiro jogo foi desenvolvido para todos os públicos. A equipe responsável pelo licenciamento do Mickey Mouse pediu para que eu não me preocupasse com demografias. O game foi criado como entretenimento para todas as idades. A diretriz da Disney era desenvolver um jogo para a família. Os números de Epic Mickey ilustram essa diversidade. Segundo a companhia, 54% das vendas do primeiro jogo foram feitas para adultos com mais de 19 anos; 39% para crianças entre 6 e 12 anos; e 7% para adolescentes entre 13 e 17. Definitivamente, não são os jovens os maiores fãs do Mickey Mouse.

 

Trailer dublado de “Epic Mickey 2: Poder em Dobro”:

 

Epic Mickey 2: Poder em Dobro” deverá ser comercializado no Brasil no segundo semestre desse ano para os consoles Nintendo Wii™, Xbox 360® e PlayStation®3. Também haverá uma versão exclusiva para o Nintendo 3DS, chamada “Epic Mickey 2: Power of Illusion”.

Em “Epic Mickey 2: Poder em Dobro”, Mickey Mouse e Oswald, o Coelho Sortudo, voltam para Wasteland, um mundo paralelo com 80 anos de personagens e atrações da Disney esquecidos com o passar do tempo.  Porém, pela primeira vez, Mickey e Oswald vão somar forças como parceiros de verdade – o Mickey com o pincel mágico dele que alia tinta e removedor, e o Oswald com o seu poderoso controle remoto que lhe dá poder sobre a eletricidade. Esta cooperação sensacional é combinada com uma física de jogo melhorada para explorar a ideia de que “O Estilo de Jogo Importa” – uma abordagem exclusiva da jogabilidade criada pelo pioneirismo de Warren Spector. Os jogadores enfrentam vários desafios diferentes ao mesmo tempo, para explorar todas as possibilidades e histórias. Cada decisão tomada tem suas consequências.

Escrito por Lucas

Um grande aficionado por cinema, séries, livros e, claro, pelo Universo Disney. Estão entre os seus clássicos favoritos: "O Rei Leão", " A Bela e a Fera", " Planeta do Tesouro", "A Família do Futuro" e "Operação Big Hero".