Camundongo Viajante | Relato de Viagem #4: Animal Kingdom

Chegamos ao último relato da minha última visita ao Walt Disney World! E nesta edição, irei falar do parque que mais me surpreendeu positivamente e ganhou de vez meu coração!

O Animal Kingdom sempre teve a fama de ser um parque de meio dia. “Ai, dá pra ver tudo e sair de tarde pra ir ao outlet,” alguns dizem. Mas comigo nunca teve disso. Parque é da abertura até o fechamento. E agora não tem jeito: o Animal Kingdom é um parque pra se passar manhã, tarde e noite!

Em 2016, última vez que visitei o parque, ainda não havia as três atrações que mudaram completamente o Animal Kingdom. Então, dessa vez, minha experiência foi totalmente renovada. O planejamento para viver o parque foi outro, andei em direções diferentes e senti de verdade a evolução que o parque conquistou.

Vamos às três atrações que mudaram o parque! Vou começar pelo Tree of Life Awakenings. Este show de projeções na Árvore da Vida, ícone do parque, une as pessoas assim como os fogos no Magic Kingdom, mas o bom é que ele se repete dando várias chances de assisti-lo.

O visual do parque à noite muda completamente e fica mais alegre e colorido com a árvore iluminada. E aqui entra um elemento que eu sou apaixonado no Animal Kingdom: a música ambiente. A trilha sonora do Tree of Life Awakenings é linda, e combina muito com os sons do parque.

Andar à noite pelo Animal Kingdom pode ser um pouco intimidador. Ele é mais escuro do que os outros parques e com muito mais árvores, mas isso o torna ainda mais misterioso e convidativo. O Animal Kingdom é um parque a ser explorado!

A segunda atração é o show Rivers of Light. Emocionante, lindo, encantador, impactante, imperdível… É isso e muito mais! O Rivers of Light é especial por muitos motivos. Primeiramente, ele tornou útil uma linda área do parque que antes não era aproveitada: o lago central que fica atrás da Tree of Life.

A arquibancada que foi construída para o show não ficou com cara de anfiteatro e ainda criou um espaço de descanso ótimo. O show é a união de luz e água e coloca a natureza no centro das atenções. As imagens mostradas nos espelhos d’água são incríveis e em vez de contarem uma história, simplesmente exaltam a natureza.

Essa é uma questão que alguns reclamam sobre o show e que eu discordo veementemente. Muita gente sente falta de personagens da Disney no show. Entretanto, eu acredito que o intuito do Animal Kingdom é valorizar a natureza como ela é, e plantar na cabeça dos visitantes a semente da preservação da natureza.

Então, na minha opinião, é muito mais importante, neste parque, aparecer um leão de verdade do que o Simba, por exemplo. Pois assim, todos associam o personagem ao animal e entendem que o que está nos filmes existe e precisa ser protegido.

E novamente irei falar da trilha sonora. Ouçam nas plataformas digitais a canção tema do Rivers of Light. Ela se chama “We Are One” e é linda demais! Esse show foi uma das melhores surpresas da viagem para mim. Comparando com o que vi de novo em outros parques nada superou o Rivers of Light. E aqui vai uma dica: reserve seu FastPass+ para assistir o show pois os lugares são ótimos e você não se preocupa em chegar cedo.

E a última novidade que mudou o parque e ainda não conhecia: Pandora – The World of Avatar. Quanta coisa pra falar! Vou começar pelas atrações. Esqueçam tudo que vocês achavam que sabiam sobre experiências imersivas. O Flight of Passage supera todas as atrações de Orlando e é, para mim, o maior acerto dos parques da Disney nos últimos anos.

A tecnologia é incrível. Não é um exagero dizer que você sente que está voando de verdade em um banshee. As imagens de Pandora são magníficas a ponto de você se emocionar com o que está vivendo. Em Flight of Passage, não é possível dizer que você assiste a um filme, ali você vive uma experiência.

Mas vale a fila enorme? VALE! Fui na atração duas vezes sem fila nenhuma. Como? Chegando ao parque antes de ele abrir e indo direto para Pandora. Tirando a opção do FastPass+, essa, por enquanto, é a única forma de aproveitar o brinquedo com pouca fila.

A segunda atração de Pandora é a Na’vi River Journey, um passeio de barco pelas florestas bioluminescentes do planeta. A atração é uma delícia, linda e ótima para os pequenos que não podem aproveitar ainda o Flight of Passage.

E mais uma vez, Pandora mostra porque é incrível: a Shaman of Songs, a enorme Na’vi que fica no final do passeio, é o animatrônico mais realista que já foi feito na Disney. Ela é enorme e possui tantos movimentos que é difícil acreditar que é um robô.

Apesar de ser ótima, apenas gostaria que a atração fosse um pouco mais longa. São tantas coisas para ver que senti falta de mais algumas cenas. Mas ainda assim, mais uma atração imperdível. E uma boa notícia: a fila é bem mais curta que a do Flight of Passage.

Partindo para a comida de Pandora. É muito interessante que, no restaurante temático da área, o Satu’li Canteen, não são servidos pratos comuns dos parques. As opções são bem variadas e não são fast-food, o que é bem legal.

Os pratos do restaurante são lindos e toda sua ambientação casa perfeitamente com a área. Há também em Pandora um pequeno quiosque, o Pongu Pongu, que serve uma bebida deliciosa: o Night Blossom. Eu recomendo provarem! Como um todo, Pandora – The World of Avatar é uma experiência imperdível.

Ela trouxe muita gente para o parque e criou um clima maravilhoso no Animal Kingdom. Todos se animam para conhecer a nova área e ficam espantados com sua grandiosidade. Atenção: Pandora é muito mais que suas duas atrações. Ande, ouça, toque nas plantas, aproveite a vista maravilhosa das montanhas flutuantes.

Pandora não é só mais uma land do parque. Os imagineers realmente colocaram de tudo nesse novo espaço e por conta disso acredito que podemos apostar alto no trabalho que está sendo feito na Galaxy’s Edge no Hollywood Studios.

Há outro aspecto muito importante sobre Pandora: a visita durante o dia é totalmente diferente da noturna. Quando o sol se põe, o Valley of Mo’ara brilha com as luzes emitidas pelas diversas plantas nativas do planeta criando um visual lindo. Minha dica é visitar a área durante a manhã, conhecer tudo e voltar, no pôr do sol, para ver Pandora se transformando.

E para quem, como eu, adora interagir com outros visitantes, a boa é adotar um banshee. Todos que passam por você irão te cumprimentar. É muito legal! Caramba, escrevi muito! Mas o Animal Kingdom foi, para mim, o melhor parque desta minha última viagem.

Inclusive, o visitei três vezes, dois dias inteiros e um para o Desafio Quatro Parques em Um Dia. O meu ranking de parques preferidos com certeza mudou durante essa viagem, mas não vou revelar.

Ah! Mais uma coisa: agora que o parque funciona até mais tarde, tente ir ao Kilimanjaro Safaris à noite. O visual é bem diferente e o comportamento dos animais muda muito. Então, pode ser que vocês vejam algumas coisas que não conseguem durante o dia.

E assim, chega ao fim esse especial do  Camundongo Viajante. Espero que tenham gostado das matérias e que elas sejam úteis para suas próximas visitas ao Walt Disney World. Se vocês quiserem saber mais do Desafio Quatro Parques em Um Dia, deixem aí nos comentários. E precisando de dicas, estou à disposição. Até a próxima!

Written by Paulo

Mouseketeer desde que me entendo por gente! Finalmente realizei meu maior sonho de Camundongo e visitei todos os parques da Disney no mundo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Loading…